Conselho Europeu: A Europa federal não é para agora

13 dezembro 2012
Libération Paris

A última cimeira da União Europeia deste ano não vai avançar na senda de uma união económica e monetária mais estreita. Deve-se isso a Berlim e Paris, que chegaram a um acordo para abandonar o roteiro apresentado por Herman Van Rompuy. O debate sobre o futuro da União foi adiado para 2014, depois das eleições alemãs e europeias.

François Hollande e Angela Merkel acabam de pregar uma partida muito prejudicial à União Europeia. O par franco-alemão, por uma vez de acordo, decidiu ontem inviabilizar um debate estratégico sobre o futuro da Europa. Um debate adiado, suprimido ou mesmo banido.

Os Vinte e Sete tinham-se comprometido a adotar, antes do fim do ano, um “roteiro” político. Nele deviam constar as grandes etapas de uma “integração solidária” – para retomar uma expressão sibilina grata ao Presidente Hollande. Que solidariedade financeira, capacidade orçamental comum, controlo democrático?

Não se tratava de tomar decisões a respeito de tudo, nem de investir numa irresponsável fuga para a frente; pretendia-se apenas dinamizar todas as instituições da União e, sobretudo, abrir um vasto debate, às claras. Pelo menos por duas razões. A sobrevivência da zona euro depende disso: os Vinte e Sete só evitaram a catástrofe com decisões que foram dando passos no sentido da solidariedade financeira entre os Estados-membros, a cada cimeira apelidada de “última oportunidade”. Mas essa navegação à bolina – e é a segunda razão – foi feita sob pressão dos mercados, sem uma visão política e, sobretudo, nas costas da opinião pública.

Discordando quanto aos contornos de um novo federalismo europeu, franceses e alemães preferiram uma política de avestruz: Angela Merkel entra num período eleitoral e não quer correr nenhum risco, e François Hollande teme reacender velhas feridas dentro da sua maioria. Pare-se tudo!

Só que esta visão politiqueira baseia-se em premissas duvidosas, como se a crise estivesse definitivamente ultrapassada e as populações se pudessem contentar com uma austeridade de vistas curtas.

Factual or translation error? Tell us.