Commissão Europeia: O triunfo do homem do aparelho

Durão Barroso em Lausanne (Suiça) en 2007. (AFP).
Durão Barroso em Lausanne (Suiça) en 2007. (AFP).
17 setembro 2009 – The Independent (Londres)

Sem grande entusiasmo, Durão Barroso foi reeleito para a presidência da Comissão Europeia com 382 votos contra 219. Adrian Hamilton, em The Independent, diz que a Europa precisava de alguém com mais envergadura que um burocrata para enfrentar a recessão, as alterações climáticas e segurança energética.

Os discursos dos líderes europeus podem ser grandiosos mas quantas vezes a prática os contradiz! A recente recondução por mais cinco anos do presidente da Comissão, José Manuel Durão Barroso, é um bom exemplo.

Estamos perante a recondução de um homem em quem ninguém deposita grandes esperanças para o desempenho do cargo mais elevado da UE, no momento talvez mais crítico da Europa, em plena recessão económica e perante enormes desafios no que toca às alterações climáticas, à segurança energética e às relações internacionais.

Não se trata de um ataque pessoal a Durão Barroso, antigo primeiro-ministro português de centro-direita, que se tem esforçado, ao seu limitado nível, para desbloquear a enredada nova "Constituição", rejeitada pelos eleitorados irlandês, francês e dinamarquês.

Há cinco anos, foi escolhido para Presidente da Comissão Europeia porque os poderes europeus não chegavam a acordo sobre as restantes alternativas. Desta vez foi novamente eleito porque os líderes continuaram sem chegar a acordo sobre outro eventual candidato (embora o presidente Sarkozy tenha insistido bastante num francês), ao passo que os partidos de centro-esquerda do Parlamento Europeu nem conseguiram apresentar um candidato próprio.

A culpa não é toda da Europa. Basta olhar para o Reino Unido e para o peso das organizações não governamentais, quase autónomas, para se perceber que, tendencialmente, um cargo que exija consenso não atrai o melhor candidato, mas o que fizer menos ondas. Uma assembleia de 27 líderes, cada qual olhando para a UE como para uma agência de colocação de candidatos nacionais, não vai escolher um presidente que se destaque no meio da burocracia e venha a revelar-se incontrolável.

Absurdo democrático

A UE passou a ser, consciente ou inconscientemente, a associação mais eficaz para o desenvolvimento de uma política comum em matéria de recuperação económica, objectivos ambientais, iniciativa política externa e, nessa matéria, defesa e segurança.

Seria uma loucura, neste momento, reconduzir um presidente incapaz de fazer avançar a instituição em áreas tão básicas como a aplicação de uma política comum nestas matérias. Mas ainda é uma loucura maior continuar a insistir, como os líderes da UE, num Tratado Constitucional claramente rejeitado em referendo pelos irlandeses e que, em todas as sondagens de opinião, não recolhe qualquer entusiasmo da população europeia em geral.

Tratando-se de uma tentativa concertada em direcção ao futuro que se quer para a Europa, seria preferível que os irlandeses rejeitassem o Tratado pela segunda vez. Isso, pelo menos, forçaria os chefes de Estado europeus a uma reacção conjunta. Caso contrário, regressamos à velha maneira errada de proceder – nomeações acordadas nos bastidores, políticas enfraquecidas, burocracia desordenada.

À semelhança da recondução de Durão Barroso, o sistema europeu talvez consiga levar a melhor sobre os irlandeses. Trata-se de uma estratégia profundamente desmoralizante que em nada contribui para preencher o défice democrático que atraiçoa o projecto europeu. E será saudada – especialmente em Londres – não por ser uma forma de reavivar a Europa, mas por ser uma forma de a retirar da agenda.

Factual or translation error? Tell us.