NEGÓCIOS DE GUERRA: Hitler comia peixe português

27 agosto 2009 – Presseurop Notebook

Todos os anos, mais de 20 milhões de latas de conservas portuguesas viajam para 35 mercados, e até no *bunker* de Hitler foram encontradas três latas de sardinhas *made in Portugal*. Como relata o jornalista do Expresso, Abílio Ferreira – num texto publicado no Expresso Online (), as guerras, devastadoras para a maioria da população, representam oportunidades de negócio para alguns. Portugal testemunhou vários casos durante a II Guerra Mundial que vão do volfrâmio às conservas, passando pelo contrabando do bagaço de azeite. Voltando ao texto de Abílio Ferreira sobre as conservas Ramirez,«foi, todavia, com as guerras que o negócio da Ramirez e da generalidade da indústria conserveira portuguesa prosperou. Se no fim do século XIX Portugal tinha 76 fábricas, no fim da Primeira Guerra Mundial, o universo alarga-se para 300. A empresa percebeu que *"o consumo era anormal e transitório*" e, ao contrário de outros concorrentes, aguentou-se na ressaca dos anos 20. Ainda assim, sofreu com a pressão de preços e a depressão em que o sector mergulhou e que levaria até Oliveira Salazar a publicar um diagnóstico sobre as ameaças que as conservas enfrentavam. A Segunda Guerra Mundial ajuda à retoma. Portugal beneficia do facto de ser dos raros países com a produção a funcionar. A Ramirez fornece a Cruz Vermelha e exporta para mercados como a Bélgica, Reino Unido e Alemanha. Por isso, a família não estranhou um telefonema do seu agente em Hamburgo, no início dos anos 50, dando conta que tinham na sua posse três latas muito especiais. Eram conservas de sardinha em azeite que tinham sido recolhidas do *bunker* de Hitler. *"Não sei como lhe foram parar às mãos, lembro-me que as enviou ao meu pai",* recorda Manuel Ramirez. Meses depois, a família decidiu prová-las, verificando que estavam em perfeito estado de conservação. "Estavam óptimas", recorda o empresário que aproveita o episódio para troçar das leis europeias que impõem um prazo de caducidade a todos os produtos».

Factual or translation error? Tell us.