Primeiras páginas de hoje

8 junho 2012 – Presseurop Dziennik Gazeta Prawna, Die Tageszeitung, El Periódico de Catalunya & 4 outros

No dia em que começa o campeonato europeu de futebol, o diário de Varsóvia escreve que “o Euro 2012 mostra que os grandes golos são o melhor remédio para os nossos problemas”.

Dziennik Gazeta Prawna, Varsóvia

“Conseguimos! Estamos na Eurolândia!”

“O Velho Continente parece verdadeiramente velho neste momento, felizmente existe o futebol”, ironiza o diário de Berlim, para quem o desporto coloca em segundo plano “o desemprego recorde, o fiasco bancário, a crise do euro, a falência grega, o regresso dos controlos nas fronteiras, o resgate da Espanha…”

Die Tageszeitung, Berlim

Futebol

A chanceler alemã apoia a ideia de uma união orçamental e política para salvar o euro, travando simultaneamente as expectativas sobre um plano conjunto que deverá ser apresentado na cimeira europeia no final do mês de junho, sugerindo que não resolverá todos os problemas da União Europeia.

El Periódico de Catalunya, Barcelona

Merkel diz “sim” à Europa

O primeiro-ministro britânico promete “proteger” a Grã-Bretanha dos projetos da Alemanha de um superestado na zona euro com sistemas políticos e bancários comuns.

The Daily Telegraph, Londres

Cameron: protegerei o Reino Unido de um superestado europeu

Após ter chegado a um acordo com a sua oposição (SDP) sobre o imposto das transações financeiras, que abre o caminho para uma ratificação do pacto orçamental, Angela Merkel reclama transferências de soberania suplementares dos Estados-membros para a UE.

Les Echos, Paris

Europa: o contra-ataque de Merkel contra Paris

“A economia mundial corre grave perigo. Senhora Merkel, cabe-lhe decidir", escreve o influente semanário.

The Economist, Londres

"Podemos ligar os motores agora, por favor, senhora Merkel?"

Após a detenção do seu chefe por “incitação ao ódio”, no dia 6 de junho, Abu Mujahid, o porta-voz provisório da organização radical Sharia4Belgium, declarou que os seus membros “nunca desistirão” e que esta pretende quebrar a coluna vertebral da democracia belga”.

Sharia4Belgium continua, mesmo sem Fouad Belkacem