Primeiras páginas de hoje

17 setembro 2012 – Presseurop El País, Die Welt, Le Figaro & 4 outros

De acordo com o diário de Madrid, há uma "divisão de opiniões" dentro do Governo espanhol. Enquanto o primeiro-ministro Mariano Rajoy quer evitar um resgate à aflitiva crise económica, o ministro da Economia, Luis de Guindos, está a pressionar para que o pedido seja feito "o mais depressa possível". Rajoy, no entanto, pediu ao seu ministro para "ter tudo preparado, para o caso de ser necessário." As razões para tal "decisão, ou melhor, indecisão" incluem as eleições regionais da Galiza e do País Basco marcadas para 21 de outubro, e acima de tudo o facto de o primeiro-ministro querer suavizar o mais possível as condições de resgate.

El País, Madrid

Rajoy atrasa pedido de resgate em busca de uma melhoria

Segundo uma sondagem realizada pela fundação Bertelsmann, “48% pensam que pertencer à UE é um perigo para a paz social”, o que representa “uma mudança de opinião histórica”, escreve o diário. 49% das pessoas interrogadas disseram, também, que estariam melhor sem o euro.

Die Welt, Berlim

Alemães já não acreditam na Europa

64% des Français voteraient “non” au traité de Maastricht s’ils étaient consultés aujourd’hui, selon un sondage publié par le quotidien. Le 20 septembre 1992, le traité a été approuvé par référendum, à 51 % des voix. 76% des personnes interrogées estiment que l’UE ne fait pas assez contre la crise économique, mais 65% souhaitent conserver l’euro.

Le Figaro, Paris

Os franceses e a Europa: o desamor

São vários países que se opõem ao projeto da Comissão Europeia para colocar os seis mil bancos da zona euro sob controlo do BCE até 1 de janeiro de 2014. Berlim recusa, por exemplo, que o Mecanismo Europeu de Estabilidade não seja autorizado a recapitalizar diretamente os bancos em dificuldades.

Frankfurter Allgemeine Zeitung, Frankfurt

Supervisão dos bancos da zona euro vai fazer-se mais devagar do que o previsto

O Governo grego inicia novas negociações com a troika UE-BCE-FMI, para validar os quatro mil milhões de euros de cortes que ainda é necessário encontrar, dos 11,5 mil milhões reclamados pelos credores da Grécia. Atenas recusou reduzir mais o número de funcionários públicos e é o adiamento da idade de reforma dos 65 para 67 anos que poderá permitir chegar a acordo.

Ta Nea, Atenas

A chave do pacote de rigor é a reforma aos 67 anos

As manifestações contra o filme anti-islâmico “A Inocência dos Muçulmanos” estendem-se à Europa. Na Bélgica, por exemplo, foram feitas 230 prisões em Borgerhout, perto de Anvers. O Conselho dos Muçulmanos da Bélgica apela à calma.

Le Soir, Bruxelas

Muçulmanos da Bélgica apelam à calma

Apesar das promessas do Governo de uma "e-revolução" na administração, a implementação do registo eletrónico de pessoas e veículos foi adiada por dois anos e o Gabinete Anticorrupção Central (CBA) está neste momento a avaliar as ofertas de empresas de TI que participaram no concurso para ambos os sistemas. Até agora, várias pessoas foram presas e acusadas de corrupção, quando a CBA descobriu que algumas propostas eram fraudulentas.

Logo – Gazeta Wyborcza, Varsóvia

E-Polónia com dois anos de atraso